terça-feira, 31 de maio de 2016

Profissão Repórter mostra crianças que passam fome e sede nas escolas Escolas públicas do país estão sem merenda e até sem bebedouro.


Edição do dia 23/05/2016
23/05/2016 16h01 - Atualizado em 24/05/2016 13h18
Profissão Repórter mostra crianças que passam fome e sede nas escolas
Escolas públicas do país estão sem merenda e até sem bebedouro.
Profissão Repórter desta quarta-feira (25) começa logo depois do futebol.
A repórter Valéria Almeida acompanhou uma fiscalização dos auditores da Controladoria-Geral da União nas escolas públicas de Boa Vista e dos municípios em torno da capital de Roraima.
Em Cantá, no dia da reportagem, o cardápio oficial mostrava que os alunos deveriam estar almoçando arroz com charque e legumes, mas as crianças estavam comendo mingau, sentadas no chão e cercadas por moscas. Desde novembro do ano passado as escolas da região não recebem arroz.
A CGU detectou a utilização indevida de recursos federais pelo governo de Roraima. Vinte milhões de reais que deveriam ser usados na compra de merenda foram destinados ao pagamento de funcionários públicos locais.
É no município de Barreirinhas, no Maranhão, que fica o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Nas comunidades ao redor do famoso destino turístico, as crianças passam fome e até sede nas escolas.
Na vila de São Raimundo, crianças de quatro a 12 anos estudam em uma sala apertada. Com poucas carteiras, alguns alunos têm que sentar no colo dos colegas. A única garrafa de água que está na escola foi comprada pela professora. "Não temos bebedouro, não temos filtro. Pelo menos um filtro servia. Já pedi e não deram", reclama a professora Silvana Pires.
Segundo o Ministério Público, o valor dos produtos foi superfaturado nos contratos que a prefeitura fechou com os fornecedores de merenda. A maior parte dos alimentos que estavam no contrato não foi entregue.
O plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo foi ocupado por estudantes que exigiam a abertura da CPI da Merenda. Em janeiro, a Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo revelaram um esquema de superfaturamento na venda de alimentos para a merenda escolar.
A repórter Eliane Scardovelli acompanhou o protesto dos alunos. O grupo desocupou a Assembleia depois de uma ordem judicial. Na mesma semana, três estudantes voltaram à ALESP. De gabinete em gabinete, eles pediram as assinaturas dos deputados pela abertura da CPI.

Profissão Reporter 24.05.2016
Postar um comentário